A Atratividade do Porto e norte de Portugal no domínio do Investimento Direto Estrangeiro

Estudo da InvestPorto e da EY

Em 2018, o investimento direto estrangeiro criou cerca de 2.754 novos postos de trabalho no Porto e norte de Portugal, representativos de 45% do total registado no país.

A perceção sobre a atratividade da região é elevada e 81% dos investidores já estabelecidos assinalam todos os critérios considerados no inquérito da EY. Mas os fatores mais valorizados são a qualidade de vida (91%), estabilidade e clima social (79%), telecomunicações e infraestruturas (77%), custos de trabalho (75%). Já os fatores decisivos para privilegiaram o Porto e Norte como destino de investimento face a outras regiões do país são a mobilidade, talento e crescimento do mercado local;



A InvestPorto e a EY acabam de lançar os resultados do estudo sobre a Atratividade do Porto e norte de Portugal no domínio do Investimento Direto Estrangeiro (IDE), denominado Porto and Northern Portugal: A Magnet for Investment - Portugal Regional Attractiveness Survey 2019.

Sendo o primeiro Portugal Regional Attractiveness Survey com enfoque no Investimento Direto Estrangeiro (IDE) no Porto e norte de Portugal, este estudo foi desenvolvido pela EY com o apoio da InvestPorto a partir de dados da EY European Investment Monitor, procurando dar uma visão abrangente das dinâmicas e perceções dos investidores internacionais no que se refere à atratividade da cidade do Porto e da região norte de Portugal.



No período analisado de 2013 a 2018, o IDE no Porto norte de Portugal apresentou uma taxa de crescimento média anual de 11,4%, colocando esta região em clara ascensão no país. Especificamente, em 2018, foi possível observar a criação de cerca de 2.754 novos postos de trabalho no Porto e norte de Portugal resultantes de projetos de IDE, representativos de 45% do total registado a nível nacional (6.100 novos postos de trabalho).


Tendo em conta os resultados do estudo, os países que mais investem no Porto e norte de Portugal são a França (46%) e a Alemanha (13%). Os setores-chave que apresentam um maior número de projetos são a Indústria (nomeadamente a fabricação de material de transporte), o Digital, o Agroalimentar e os Serviços às Empresas.

Após um crescimento do investimento direto estrangeiro particularmente intenso no Porto e norte de Portugal em 2017, a tendência abrandou um pouco em 2018, mas mostra-se mais rápida nesta região do que em Portugal e na União Europeia no seu todo (9,1% taxa de crescimento anual composto do número de projetos IDE entre 2008 e 2018, comparando com 6,6% em Portugal e 5,3% na União Europeia).



A evolução recente da economia do Porto e da região norte, que se traduz num crescimento do PIB duas vezes mais rápido quando comparado com a média nacional, contribui para que a confiança de investidores internacionais seja crescente e se mantenha em níveis elevados. De notar que, em 2018, o Porto e norte de Portugal gerou 39% do total das exportações portuguesas de bens (produzidos por uma indústria transformadora crescentemente qualificada e terciarizada), determinando uma taxa de cobertura das importações pelas exportações de 131%.


Quanto a perspetivas futuras, os investidores inquiridos no âmbito do estudo identificam três áreas nas quais a região deverá focar-se para se manter competitiva: o desenvolvimento da educação e das competências, o apoio às indústrias de alta tecnologia e à inovação e a redução da tributação.


16/07/2019

Fonte:AICEP

Partilhar:

Usamos cookies para melhorar a navegação dos nossos visitantes. Ao fechar esta mensagem aceita a nossa política de privacidade

fechar