A ISO 9001:2015

A abordagem do Risco

Hoje em dia, as organizações operam em contextos cada vez mais imprevisíveis e complexos, tornando-se fundamental abordar a questão do risco de uma forma consciente, planeada e sistematizada.

Embora a ISO 9001:2015 não exija que a organização tenha um sistema de gestão de risco (seguindo, por exemplo, a norma ISO 31000), a “mentalidade de risco” deve estar presente em todas suas decisões e ações, tanto ao nível estratégico como operacional. Isto eliminou a necessidade da ISO 9001:2015 ter uma cláusula separada sobre “ações preventivas” – na realidade tudo que uma organização faz deve ser no sentido de evitar não conformidades nos seus processos, produtos e serviços. A organização deve perguntar constantemente a si mesma: “O que poderia correr mal?” “Qual seria a probabilidade disto acontecer?” “Quais seriam as consequências potenciais?” e “Como deveremos tratar este risco”?

A forma de abordar o risco vai depender do contexto em que a organização opera. Para empresas que fornecem produtos e serviços simples, sem grandes implicações em termos de segurança ou financeiros, pode ser suficiente uma análise e priorização das suas atividades, de maneira a evitar problemas que poderiam afetar a satisfação do cliente. Para empresas atuando em áreas mais críticas esperar-se-ia uma abordagem mais abrangente (usando análises tipo FMEA, HAZOP, HACCP ou até metodologias estatísticas sofisticadas como simulações tipo Monte Carlo). A norma ISO 31010 oferece várias opções para análises de risco que poderiam ser aplicáveis em determinados contextos.

A ISO 9001:2015 também reforça a necessidade de pensar pelo lado positivo - não só evitando as coisas más, mas aproveitando as oportunidades para fazê-las melhores - uma nova tecnologia, uma matéria-prima mais barata, o concorrente com problemas, por exemplo. Por isso, a ISO 9001:2015 exige que a organização analise os “riscos e oportunidades” de forma equilibrada, para que seu sistema possa alcançar os resultados pretendidos.

APCER
Nigel Croft
Presidente do Comité Técnico TC176 e Presidente do Conselho de Administração da APCER Brasil


Outras notícias:
- Guias do Utilizador ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015
- Mentalidade de Risco não é Gestão de Risco
- A Liderança nas novas normas ISO 9001 e ISO 14001

24/04/2017

Fonte:APCER

Partilhar:

Usamos cookies para melhorar a navegação dos nossos visitantes. Ao fechar esta mensagem aceita a nossa política de privacidade

fechar